Isquemia intestinal aguda e crônica

 

A isquemia intestinal é a morte de uma parte do intestino (necrose), e este distúrbio ocorre quando o intestino não recebe uma quantidade suficiente de sangue.

A isquemia pode ocorrer no intestino delgado, intestino grosso ou ambos.
Esta é uma doença muito grave que pode causar:

  1. Dor intensa,
  • Perda da função intestinal.

A isquemia intestinal maciça é muito grave e causa a morte em poucos dias (em média, 24 horas).

O infarto intestinal pode ser de tipo:

  1. Embolico , se for causado por um embolo, provável em pacientes com problemas cardíacos, por exemplo, arritmia cardíaca,
  2. Trombótico (é o mais freqüente), se for causado por um trombo que obstrua um vaso sanguíneo,
  3. Não-oclusivo, durante um choque hemorrágico, pode ocorrer uma distribuição diferente da massa sanguínea circulante. Para trazer sangue ao cérebro e ao coração, os vasos esplâncicos são sacrificados, de modo que as células não recebem oxigênio e nutrientes suficientes. Se a isquemia é não oclusiva, algumas seções isquêmicas e outras seções saudáveis alternadas se formam no intestino.

As pessoas idosas (com mais de 50 anos) têm um risco maior de desenvolver este problema em relação aos outros.


Geralmente, esta doença é muito rara na população.

Crianças
A isquemia intestinal afeta principalmente os idosos, mas os bebês podem sofrer de enterocolite necrosante, geralmente se eles são prematuros.

Anatomia patológica

Existem três vasos sanguíneos fundamentais para transportar o sangue na região abdominal e podem causar uma isquemia intestinal arterial:

  1. Artéria celíaca,
  2. Artéria mesentérica superior,
  3. Artéria mesentérica inferior.

Na artéria mesentérica superior existe o segmento de Reiter da que se originam:

  1. A artéria cólica,
  2. A ileocolica,
  3. A cólica média.

Uma obstrução no segmento de Reiter pode causar ataques cardíacos de todo intestino.

Isquemia venosa
Um coágulo de sangue pode se desenvolver em uma veia que transporta sangue para fora do intestino.


Quando a veia é bloqueada, o sangue retorna ao intestino, causando inchaço e sangramento.
Esta desordem é caracterizada por:

  1. Congestionamento de sangue,
  2. Falta de oxigênio,
  3. Alterações da microcirculação intestinal,
  4. As ansas intestinais são dilatadas e cheias de sangue.

Geralmente, se diz infarto para indicar o bloqueio de uma artéria, mas neste caso também é usado para a obstrução venosa porque em ambas as situações ocorre:

  • Deficiência de oxigênio,
  • Dano ao endotélio (parede interna) dos vasos sanguíneos.

As causas podem ser:

  1. Compressão causada por tumores ou linfonodos,
  2. Pancreatite,
  3. Infecção abdominal,
  4. Doença intestinal, como doença de Crohncolite ulcerativa e diverticulite.
  5. Doenças que causam hipercoagulabilidade,
  6. Trauma
  7. Quantidades importantes de estrogênio.

Os sintomas são os mesmos que o infarto ou isquemia que se origina em uma artéria.

Causas de isquemia intestinal

A obstrução de uma artéria pode ser causada por:

  • Aterosclerose,
  • Coágulos de sangue (que podem se formar no coração em caso de fibrilação atrial),
  • Aneurismas nos vasos sanguíneos.

oclusão venosa pode causar essa isquemia intestinal em caso de:

  1. Hipertensão da veia porta, (leva o sangue do estômago e dos intestinos para o fígado) a veia porta se origina da conjunção da veia mesentérica superior e da veia esplênica (que recolhe o sangue da veia mesentérica inferior).
  2. Trombose venosa profunda, é mais provável se a pessoa tem uma condição de hipercoagulabilidade ou em caso de inflamação.
  3. Sepse,
  4. Trauma,
  5. Cirurgia.

Causas de isquemia intestinal não-oclusiva:

  1. Hipotensão (pressão arterial baixa), a pressão arterial baixa prolongada causada por cirurgia cardíaca pode causar isquemia intestinal e, em alguns casos, também um infarto intestinal.
  2. Espasmo (contração) das artérias que vão para o intestino,
  3. Câncer no cólon, que comprimem os vasos sanguíneos e podem causar um bloqueio da circulação,
  4. Insuficiência cardíaca,
  5. Choque e hemorragia – causam uma redução no volume de sangue circulante e da pressão sanguínea.
  6. Efeito colateral de medicamentos  (vasoconstritores, vasodilatadores e pílula anticoncepcional) e algunhas drogas.

Os fatores de risco incluem:

  1. Fumo,
  2. Obesidade,
  3. Pressão muito baixa.

Sinais e sintomas de isquemia intestinal

Os sintomas são divididos em dois grupos:

  1. Sintomas de infarto agudo que ocorrem de repente,
  2. Sintomas de isquemia crônica que se desenvolvem ao longo do tempo.

Sintomas agudos

  1. Dor de barriga súbita e severa, especialmente em uma área do abdômen. A dor pode ser causada por estímulos químicos (isquemia e variações de pH) ou mecânicos (distensão do intestino a montante da obstrução da artéria ou veia).
  2. Náusea,
  3. Vômitos,
  4. Sangue nas fezes,
  5. Distensão abdominal,
  6. Urgência para defecar,
  7. Febre.

Em caso de trombose ou embolia, os sintomas tem a seguinte evolução:

  1. No início, a pessoa tem muita dor, semelhante a uma cólica. A dor é generalizada em todo o abdômen.
  2. Após algumas horas, a dor é concentrada na área ao redor do umbigo ou em um lado do abdômen. Esta fase dura 4-6 horas. A intensidade da dor diminui, mas outros sintomas pioram: freqüência cardíaca rápida, baixa pressão arterial, respiração rápida.
  3. No final da segunda fase, ocorre a necrose intestinal, com peritonite e choque.

Sintomas crônicos

  1. Dor de barriga após as refeições,
  2. Náusea e vômitos
  3. Diarréia ou constipação,
  4. Perda de peso porque a pessoa não come para evitar a dor,
  5. Inchaço na barriga.

Complicações da isquemia intestinal

As consequências ou complicações da isquemia intestinal podem ser:

  1. Morte do tecido intestinal
    Se o fluxo sanguíneo for parado completamente e de repente, o tecido intestinal pode morrer (gangrena).
  2. Perforação
    Pode ocorrer uma lesão na parede do intestino. A conseqüência é a saída do conteúdo do intestino na cavidade abdominal, causando uma infecção grave (peritonite).
  3. Fibrose ou encolhimento do cólon
    O processo de cura da isquemia causa a formação de tecido cicatricial fibroso que restringe ou bloqueia o intestino.
  4. Morte

Diagnóstico e exames para isquemia intestinal

De acordo com os sinais e sintomas, o médico pode recomendar esses exames:

  1. angiografia com a tomografia ou a ressonância magnética para obter imagens detalhadas sobre o fluxo de sangue no intestino delgado e procurar as artérias obstruídas.
    Às vezes, o médico pode tratar as artérias obstruídas durante a angiografia, em caso de insuficiência da artéria celíaca ou mesentérica, o médico pode inserir um stent através dos cateteres antes do desenvolvimento de um infarto intestinal.
    Assim, o fluxo pode ser restaurado, por exemplo, em uma patologia que afeta a artéria celíaca.
  2. arteriografia consiste na radiografia dos vasos sanguíneos.
  3. ultrassonografia com doppler colorido mostra se a obstrução é venosa ou arterial.
  4. Se o paciente não melhorar com as drogas, o médico aconselha a cirurgia exploratória em laparoscopia para localizar e remover o tecido danificado.
    A cirurgia exploratória permite o diagnóstico e o tratamento.

Nos exames de sangue de laboratório podemos notar:

  1. Leucocitose (glóbulos brancos elevados) com neutrófilos acima de 15 000/mm³,
  2. Lactato desidrogenase (LDH) alta,
  3. Amilase alta,
  4. Fosfatase alcalina alta,
  5. Aumento dos lactatos.

Tratamento e medicamentos para isquemia intestinal

O tratamento da isquemia intestinal envolve a restauração do fluxo sanguíneo suficiente para o sistema digestivo.
As opções variam de acordo com o tipo e a gravidade da doença

Medicamentos
Os medicamentos trombolíticos podem ser administrados para dissolver o trombo ou para evitar a formação de coágulos sanguíneos.
Além disso, são necessários os vasodilatadores para expandir os vasos sanguíneos em caso de isquemia mesentérica aguda.

Em caso de isquemia mesentérica crônica, o médico pode prescrever anticoagulantes.

Trombose venosa mesentérica
Se o intestino não foi danificado, provavelmente é necessário tomar um medicamento anticoagulante por cerca de três a seis meses.
Os anticoagulantes previnem a formação de trombos.

Se os exames mostram um distúrbio da coagulação do sangue, pode ser necessário tomar anticoagulantes pelo resto da vida.
Se as partes do intestino grosso estão danificadas, pode ser necessária uma cirurgia para removê-lo.

Isquemia do cólon
A isquemia do cólon pode curar-se sozinha sem tratamento, mas o médico pode recomendar antibióticos para tratar ou prevenir as infecções.
O médico pode recomendar um tratamento para outras doenças relacionadas, tais como:

  1. Insuficiência cardíaca,
  2. Batimentos cardíacos irregulares (arritmia).

É necessário parar de tomar todos os medicamentos que causam a vasoconstrição, por exemplo, medicamentos para:

  1. Enxaqueca,
  2. Tratamentos hormonais,
  3. Doenças do coração.

Se o cólon estiver danificado, você pode precisar de uma cirurgia para remover o tecido morto ou para pular o bloqueio em uma artéria intestinal.

Isquemia mesentérica aguda (infarto)
Geralmente, a cirurgia é necessária para:

  1. Remover um coágulo de sangue,
  2. Superar um bloqueio arterial,
  3. Para reparar e remover a parte danificada do intestino.

Com um diagnóstico precoce, se a doença afeta uma pequena parte do intestino, o cirurgião

pode remover um segmento do intestino e fazer uma anastomose.

O tratamento inclui medicamentos para:

  • Prevenir a formação de trombos,
  • Dissolver os coágulos de sangue,
  • Dilatar os vasos sanguíneos.

Durante a angiografia para diagnosticar o problema, é possível tratar a doença com uma angioplastia simultânea.


angioplastia envolve a inserção de um balão na artéria que incha para:

  1. Comprimir os depósitos de gordura,
  2. Dilatar a artéria.

A conseqüência é uma artéria com um diâmetro maior que permite ao sangue de circular livremente.
O médico pode colocar uma estrutura cilíndrica de metal (stent) na artéria para manter a abertura.

Em caso de oclusão completa da artéria mesentérica superior, desenvolve-se um infarto maciço no íleo e, nesses casos, o cirurgião não pode remover todo o íleo (parte do intestino delgado) porque não é compatível com a vida.
Neste caso, a heparina é administrada por via intravenosa ao paciente, esperando que o coágulo desapareça ou diminua.

Isquemia mesentérica crônica


Geralmente, a cirurgia é necessária para:

  1. Restaurar o fluxo sanguíneo,
  2. Evitar a progressão da Isquemia mesentérica de tipo agudo.

O cirurgião pode pular as artérias bloqueadas ou ampliar as artérias estreitas com:

  1. Uma angioplastia,
  2. O  posicionamento do stent.

Além da cirurgia de angioplastia e pontagem coronária, outro método para o tratamento da isquemia mesentérica crônica é chamado de endarterectomia transaórtica.
Nesta operação, se remove a placa que entope a artéria mesentérica.

Convalescença após á operação
O decurso pós-operatório depende da condição do paciente e o tamanho do intestino em necrose.
O prognóstico é pessímo na maioria dos casos, em caso de obstrução venosa a cura é mais provável.

Prevenção, dieta e alimentação para isquemia intestinal

É possível reduzir o risco da isquemia intestinal com algumas mudanças no estilo de vida que ajudam a prevenir a aterosclerose:
Escolha uma dieta rica em frutas, vegetais, nozes e sementes.
Reduza a quantidade de açúcar adicionado, alimentos processados, cereais e produtos lácteos.

Fumo. As pessoas que fumam devem conversar com o médico para descobrir como parar.
O aconselhamento, medicamentos e produtos de reposição de nicotina são algumas das opções possíveis.

Exercício físico regular
O objetivo é de pelo menos 30 minutos por dia.
Manter um peso adequado à altura.
Tratar os outros problemas de saúde.

Devemos prevenir ou tratar os seguintes distúrbios:

  1. Pressão alta,
  2. Colesterol alto,
  3. Diabetes ou outras doenças que aumentam o risco de aterosclerose.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *